trouble in mind

agosto é um mês estranho no verão. a vida parece que fica suspensa, como se isso fosse possível. é mais solitário e silencioso do que o normal. aqui no bairro os cafés, restaurantes, papelarias e até a mariazinha estão quase todos fechados. o calor fica ainda mais sufocante e as plantas vão secando na varanda. estou acostumada a ter calor o ano inteiro, uns meses mais moderados que os outros, mas é algo distribuído. aqui, não. é concentrado em três meses, dos quais é preciso viver o verão intensamente porque o resto do ano vai fazer frio e chover, chover. mas quando chega agosto eu já estou cansada do verão, da obrigação de ser feliz no verão, de ter que tirar férias no verão. não tenho dinheiro pra tirar férias.

fazem vinte e quatro horas que não falo nada em voz alta. passo os dias quentes a traduzir muitas palavras que não fazem nenhum sentido, no fim do dia não me sobra energia pra ler ou escrever as palavras que fazem. nem falar. nem com as andorinhas e gaivotas que chegam com o cair da tarde. penso na serventia deste blog e na teoria do iceberg do hemingway. sinto vontade de passar os três meses do verão numa casa de praia rústica e afastada, esquecida pelo turismo, lendo hemingway, mergulhando pra encontrar o começo dos icebergs. aí sim, poderia dizer que o verão europeu é incrível e meu sonho dourado de europa se concretizou.

Os comentários estão desativados.