Them/Shoes

Se conheceram no colégio. Ela era a menina tarciturna da classe. Se sentava na segunda carteira, usava óculos, tinha poucos amigos. Ele poderia ser classificado como alguém da turma do meio – nem popular, nem cê-dê-éfe. Um dia fizeram uma prova em dupla, muito provavelmente porque o melhor amigo dele estava ausente e ela não tinha a quem recorrer. Por uma combinação de fatores, tiraram nota máxima. E foi assim que começou. Passaram por uns bocados juntos, viram amizades, amores e temores se criarem e se desfazerem ao longo de anos.

Até que um dia, em um despretensioso happy hour, beberam além da conta, se beijaram, pegaram o primeiro táxi disponível, que os levou ao primeiro motel decente que o taxista conseguia se lembrar naquele momento um tanto quanto constrangedor, fizeram sexo desvairado a noite inteira e depois não descobriram nenhum motivo para que não passassem o resto de suas vidas juntos.

Ele se mudou pra casa dela, levou uma parca mudança – uma caixa com roupas velhas e outra com livros de sebo e todos os seus pequenos tiques  guardados. Se amaram sem muito alarde, poucos momentos de desespero, um amor manso no jogo de cama bordado antes de dormir. Tudo era muito calmo. Caminhavam todas as manhãs em um parque próximo, tomavam banho juntos. Durante as noites ela assistia uma novela, por vezes lia um romance e fazia ponto cruz – um hábito herdado da mãe, enquanto ele passava horas mergulhado em seus livros de História.

Se casaram em cerimônia para poucos convidados, em um pequeno buffet próximo. Algumas de suas amigas antigas compareceram, a mais cotada para pegar o buquê saltou e o fez. O grupo de amigos dele, que variava entre o pessoal da empresa e os companheiros da universidade, circulava, bebendo cerveja na temperatura ambiente e cortando sua gravata em troca de alguns cheques sem fundo dos familiares do casal.  Se despediram mais cedo, malas na mão e os trocados arrecadados e rumaram para Águas de Lindóia, ocasião da lua-de-mel.

Certo dia ele a buscou no final do expediente, a levou em uma pequena lanchonete nas redondezas e, como pode acontecer em um dia perfeitamente ensolarado – o céu fecha e dele despenca uma tempestade de pedrinhas geladas,  entre uma mordida no lanche de salsicha e outra, disse que não a amava mais. Não era outra, não era ela, não era nada, ele não sabia o que era. Somente dizia que não sentia mais nada, absolutamente nada que o motivasse a continuar casado com ela.

Ela derreteu. Por dentro, por fora, por qualquer outro lugar. As paredes do lugar começaram a derreter com ela. Cadeiras, garçonetes, chapas e estufas engorduradas, máquinas de café. Tudo foi virando uma massa só aos seus olhos. Ela se misturou com a gosma de dor, medo, jogos americanos e óleo para fritura. Foram para casa. Ele pediu uns dias para encontrar algum canto onde pudesse acomodar suas duas caixas.

Os dias, que a princípio seriam dois ou três, viraram duas semanas. O coração dela ainda esperava que ele pudesse mudar de idéia, deu o melhor de si para que ele se lembrasse do quão especial ela era na vida dele, e chegou acreditar que realmente o fosse. Ele seguia impassível e ela seguia esperançosa. Inclusive comentou com umas pessoas mais chegadas que estavam se separando, e que claramente era temporário.

Mas não era. Ela acordou um dia e ele não estava mais dormindo no sofá-cama da sala de televisão. Não tinha mais ele, nem caixa, nem sequer o cheiro da sua loção pós-barba barata. Ela precisava sair dali, precisava trabalhar, precisava falar com alguém, precisava saber dele. Precisava dele. Precisava, do verbo precisar.

No trabalho tentou manter a calma e a discrição, mas por dentro ela se contorcia em espasmos de impotência. Finalizou algumas atividades pendentes, jogou muitos papéis fora. Saiu para almoçar com alguns colegas, mal tocou no prato feito. Arroz-feijão-bife-ovo. Voltou sozinha para o trabalho. Ao entrar no elevador apertou o botão do último andar – o seu era o primeiro.

Durante a subida ela praticamente não pensou em nada, olhou para o pequeno monitor que noticiava os muitos quilômetros de engarrafamento, os índices da bolsa, a temperatura para o final de semana, propagandas, propagandas, propagandas. Mal ouvia a conversa das pessoas que iam desembarcando pelos andares afora.

Plim. O elevador parou e ela se dirigiu ao peitoril de uma ampla janela. Calmamente tirou os sapatos e se sentou ali. Hesitou. Sempre teve medo de altura. Num movimento preciso, se levantou, esticou os braços, respirou fundo e pulou. A queda foi rápida e indolor. Mas ao mesmo tempo durou anos. Durou todos os anos de sua insignificante vida. Cada milésimo de segundo equivalia a um ano. E ela ia deixando para trás nesse vôo de liberdade tudo aquilo que havia meticulosamente guardado.

A infância difícil, a adolescência insuportavelmente só, as inseguranças, as pequenas esperanças, os desejos reprimidos. Tudo ia se soltando dela, saindo pelos poros. Ela gritava alto, aliviada por abandonar tantos anos de uma angústia que não tinha cura. Estava indo de encontro ao maior obstáculo já enfrentado por qualquer ser vivente. Não se sentia covarde, pelo contrário, sentia-se a mulher mais poderosa do mundo. Cansada de esperar pelo iminente chegar, ela escolheu abraçá-lo, envolvê-lo, absorvê-lo.

Sendo assim, pulou.

6 Respostas para “Them/Shoes

  1. E de pensar que não é ficção… :( Adorei o texto!

  2. Ah, se eu fosse um editor. =)

  3. gorgeous!

  4. Puta-que-pariu, demorou mas tá perdoada. Arrasou!
    Saudadona, beijo.

  5. isso. quero pronunciar a minha frase, a tal que vc me ouve falando na tua cabeca. aqui o seu esta alimento, justamente feito! e do lado de ca o meu tambem, so por vc me ouvir ai, assim me sinto querida e mata/aumenta a saudade.

    te amo, minha marildabatizadanaescada de alguma ruadebelorizonte, perto da savassi, e claro.

  6. Sou um fã de fins trágicos!
    Parabéns!

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s